sábado, 18 de janeiro de 2014

Endometriose

O que é Endometriose?

A endometriose é uma condição ginecológica que tem como característica o desenvolvimento e crescimento de tecidos uterinos (estroma e glândulas endometriais) fora da cavidade do útero. Esse crescimento fora do útero normalmente ocorre no peritônio e vísceras pélvicas. A endometriose afeta principalmente mulheres em idade reprodutiva. A presença de dor pélvica e infertilidade pode ser um indicativo de endometriose.




Quais os sintomas?
Dentre os sintomas mais comuns estão infertilidade e dor pélvica (dismenorreia, dor pélvica cíclica, dispareunia). Além destes sintomas podem ocorrer ainda alterações gastrointestinais como: náusea, vômito, edema, sensação de saciedade precoce e distensão abdominal além de alteração no funcionamento do intestino.



Como ocorre?
Em um ciclo mensal normal, os ovários produzem hormônios que vão estimular as células da mucosa do útero (endométrio) a se multiplicarem e assim estarem prontas para receber um óvulo fertilizado. Nesse processo há aumento do tamanho e espessura da mucosa.
Se o crescimento destas células endometriais ocorre fora do útero, surge a endometriose. As células normalmente encontradas no interior da cavidade uterina são liberadas durante o processo da menstruação, ao contrário das células que estão fora do útero, que continuam no mesmo lugar. Algumas vezes ocorre sangramento destas células, porém elas se curam e em um ciclo seguinte são novamente estimuladas.
Através desse processo contínuo surgem os sintomas característicos da endometriose (dor) e ainda podem aparecer cicatrizes (aderências) nos ovários, trompas e estruturas ao redor na pélvis.

Qual o tratamento?

A escolha do tratamento depende da gravidade da doença, de sua extensão e localização, das condições clínicas da paciente , entre outros fatores. Dentre os medicamentos utilizados para o tratamento estão:
  • Anti-inflamatórios não hormonais: Acredita-se que a associação de anti-inflamatórios no tratamento é benéfica, principalmente nas pacientes que relatam dor mesmo após o bloqueio da menstruação.
  • Anticoncepcional oral: O uso destes medicamentos combinados, de forma cíclica, diminui a dismenorréia.
  • Progestágenos: Demonstram-se efetivos na redução da dor associada á endometriose, porém mais estudos devem ser realizados quanto à efetividade dos mesmos.
  • Danazol: O uso deste medicamento leva à diminuição do processo inflamatório e regressão dos implantes.
  • Análogos agonistas do GnRH (a-GnRH): Medicação que induz a um estado de hipoestrogenismo quase que absoluto, evidenciando os sinais e sintomas da pós-menopausa.
  • Diogeneste (Allurene®): No Brasil, é tido como primeira alternativa via oral para o tratamento da Endometriose. É um progestógeno utilizado também, rotineiramente, em combinação com Valerato de estradiol para o tratamento de sangramento menstrual intenso e prolongado.
Além destes medicamentos há ainda terapias não medicamentosas que podem ser realizadas e incluem: acupuntura, fisioterapia e psicanálise.
Não existem relatos concretos de qual a melhor opção, clínica ou cirúrgica, para o         tratamento da dor em mulheres com endometriose. A cirurgia apresenta problemas como o alto custo, alta morbidade, necessidade de treinamento e a dificuldade de atender todas as mulheres portadoras da doença, dando preferência à terapia medicamentosa como primeira opção. A cirurgia é reservada àquelas que não obtêm alívio dos sintomas.



Saiba mais...

Os medicamentos utilizados na Endometriose podem provocar diversas reações adversas como sangramento, dor de cabeça, depressão, desconforto nas mamas, dor abdominal, acne, ganho de peso, dentre outros. Em vista disso, o CEFAL criou uma página onde você, que possui ou conhece alguém que tenha endometriose possa contar a sua história e se informar, assim podemos juntos garantir que os medicamentos sejam mais seguros e eficazes no tratamento da doença.


Conte-nos sua história como paciente e mulher! 

Sem comentários:

Publicar um comentário